SP - 11 2305-9770

NOTÍCIAS

SET 06, 2015

Alergia deve atingir metade da população no futuro

 Seja pela respiração, pela boca, sentindo na pele ou até mesmo pelos olhos, as alergias sempre dão um jeito de invadir o nosso corpo. Muitas vezes, elas ficam alojadas no organismo, só esperando: e surgem quando a gente menos espera. Já para outras pessoas, caminhar com o mal desde os primeiros anos de vida é mais que comum. O motivo de tudo isso? É que estamos cercados por diversos agentes capazes de provocar males que nosso sistema imunológico não tem capacidade suficiente para combater. Quando isso acontece, ele reage de forma inadequada e exagerada.

Embora também possam ter traços hereditários, as alergias são um mal da atualidade, da vida moderna das cidades grandes, alertam os especialistas. Uma em cada três pessoas ao redor do mundo sofre de algum tipo de alergia. E, para os próximos anos, a medicina não traz boas notícias: a metade da população global pode se tornar alérgica.
Segundo a presidente da regional paraense da Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia, Maria Nazaré Furtado, o mal nada mais é que respostas inadequadas do organismo humano. “Os agente externos provocam uma reação exagerada em nosso corpo, nos mais variados sistemas: respiratório, cutâneo, digestivo”, explica.
As reações trazem sintomas que podem parecer inofensivos, mas que reduzem a qualidade de vida de muitos. Urticárias, inchaços, espirros, coceiras, tosse, falta de ar e vermelhidão são sintomas que podem tomar sua rotina simplesmente em reação a tipos de alimentos, medicamentos ou a vários outros fatores, como ácaros, poeira, pó, pólen e até pelos. É preciso ter atenção e cuidados: uma mesma pessoa pode ter reações a várias substâncias diferentes ao mesmo tempo.
 
DEFENDA-SE
 
Identificar o agente causador o mais cedo possível é essencial. Se não for tratada, a doença pode levar até a enfermidades como a asma alérgica e a rinite crônica - e em alguns casos há mesmo risco de morte: o choque anafilático pode ser fatal. 

A médica Nazaré Furtado alerta: não há prevenção contra o mal. “E o diagnóstico só pode ser feito através da manifestação dos sintomas”, esclarece. O tratamento pode ser com medicamentos tradicionais constantes - alguns incluindo a sonolência e o acúmulo de peso como efeitos colaterais. O mercado já oferece substâncias inalatórias e até mesmo vacinas, com a aplicação do próprio antígeno causador do mal, minimizando os efeitos das reações. 

 

FONTE: http://www.diarioonline.com.br/noticias/elas/noticia-342993-alergia-deve-atingir-metade-da-populacao-no-futuro.html